Arquivo de fevereiro \03\UTC 2017

Aécio Neves comandou fraude na Cidade Administrativa quando era governador de MG, diz delator da Odebrecht

Ex-executivo da empreiteira apontou esquema de corrupção na sede do governo estadual

O ex-governador de Minas Gerais e atualmente senador da República Aécio Neves (PSDB) teria participado de um esquema de fraude na licitação para a construção da Cidade Administrativa — sede do governo estadual. O favorecimento de algumas empreiteiras na disputa teria rendido propina ao tucano.

Publicada pelo jornal Folha de S.Paulo desta quinta-feira (2), a informação foi dada pelo ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura Benedicto Júnior em sua delação premiada à Operação Lava Jato.

Júnior afirmou que se reuniu pessoalmente com Aécio Neves, quando tratou do esquema de corrupção. Na ocasião, o tucano teria orientado as construtoras a localizarem e negociarem diretamente com Oswaldo Borges da Costa Filho, conhecido como Oswaldinho.

Aécio repudiou acusação e pediu a queda do sigilo sobre as delações para que “todo conteúdo seja de conhecimento público” Jefferson Rudy/14.12.2016/Agência Senado

Com ele, foi definido o percentual de propina que seria repassado pelas empresas no esquema. De acordo com o delator da Odebrecht, os valores ficavam entre 2,5% e 3% sobre o total dos contratos.

Em nota, Aécio Neves repudiou o relato do delator da Odebrecht e defendeu o fim do sigilo sobre as delações a fim de que “todo conteúdo seja de conhecimento público”.

O delator da Odebrecht informou que o próprio Aécio Neves decidiu quais empresas partipariam da disputa para fazer a obra do governo mineiro.

Projetada pelo renomado arquiteto Oscar Niemeyer (1907-2012), a Cidade Administrativa foi inaugurada em 2010 e custou R$ 2,1 bilhões em valores da época.

A Odebrecht encabeçou o consórcio que construiu a Cidade Administrativa. A empreiteira foi responsável por 60% do projeto, dividido também com a OAS, Andrade Gutierrez e Queiroz Galvão — todas implicadas na Lava Jato. A Odebrecht construiu um dos três prédios da sede do governo mineiro, o chamado Edifício Gerais.

Oswaldinho, o suposto emissor de Aécio na negociação para a obra, é conhecido por colaborar com as campanhas eleitorais do tucano. Também já foi presidente da Codemig (Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais). Foi com ele que as empreiteiras acertaram a forma dos pagamentos, informou Benedicto Júnior.

Cidade Administrativa Presidente Tancredo Neves, projetada por Niemeyer, sede oficial do governo mineiro desde 2010, em Belo Horizonte. Licitação da obra está sob suspeita na Lava Jato Rubens Chaves/27.06.2011/Folhapress

O depoimento do ex-diretor da Odebrecht Sérgio Neves confirmou e complementou o que Benedicto Júnior falou para os procuradores da Lava Jato. Segundo as investigações, Neves seria o responsável por organizar os repasses a Oswaldinho. Neves é o principal delator da força-tarefa da Lava Jato para detalhar os pagamentos a Aécio.

Sérgio Neves e Benedicto Júnior são dois dos 77 funcionários e ex-funcionários da Odebrecht que fecharam acordo de delação premiada. Na segunda-feira (30), a presidente do Supremo, Cármen Lúcia, validou as informações dadas pelos executivos e funcionários da empreiteira e remeteu à PGR (Procuradoria-Geral da República), responsável por conduzir a investigação. O conteúdo, porém, foi mantido sob sigilo.

Aécio Neves defendeu, em nota, que o conteúdo das delações premiadas seja publicado na íntegra pelo Supremo para que “as pessoas mencionadas possam se defender, uma vez que é impossível responder a especulações, interpretações ou informações intencionalmente vazadas por fontes não identificadas”.

O tucano chama a colaboração premiada de Benedicto Júnior de “suposta delação” e classificou “as afirmações são falsas e absurdas”.

Sobre a obra da sede do governo mineiro, Aécio disse que “o edital de construção da Cidade Administrativa foi previamente apresentado ao Ministério Público e ao Tribunal de Contas do Estado e as obras auditadas durante sua execução por empresa independente contratada via licitação pública, não tendo sida apontada qualquer irregularidade durante todo o processo”.

Deixe um comentário