Aécio Neves comandou fraude na Cidade Administrativa quando era governador de MG, diz delator da Odebrecht

Ex-executivo da empreiteira apontou esquema de corrupção na sede do governo estadual

O ex-governador de Minas Gerais e atualmente senador da República Aécio Neves (PSDB) teria participado de um esquema de fraude na licitação para a construção da Cidade Administrativa — sede do governo estadual. O favorecimento de algumas empreiteiras na disputa teria rendido propina ao tucano.

Publicada pelo jornal Folha de S.Paulo desta quinta-feira (2), a informação foi dada pelo ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura Benedicto Júnior em sua delação premiada à Operação Lava Jato.

Júnior afirmou que se reuniu pessoalmente com Aécio Neves, quando tratou do esquema de corrupção. Na ocasião, o tucano teria orientado as construtoras a localizarem e negociarem diretamente com Oswaldo Borges da Costa Filho, conhecido como Oswaldinho.

Aécio repudiou acusação e pediu a queda do sigilo sobre as delações para que “todo conteúdo seja de conhecimento público” Jefferson Rudy/14.12.2016/Agência Senado

Com ele, foi definido o percentual de propina que seria repassado pelas empresas no esquema. De acordo com o delator da Odebrecht, os valores ficavam entre 2,5% e 3% sobre o total dos contratos.

Em nota, Aécio Neves repudiou o relato do delator da Odebrecht e defendeu o fim do sigilo sobre as delações a fim de que “todo conteúdo seja de conhecimento público”.

O delator da Odebrecht informou que o próprio Aécio Neves decidiu quais empresas partipariam da disputa para fazer a obra do governo mineiro.

Projetada pelo renomado arquiteto Oscar Niemeyer (1907-2012), a Cidade Administrativa foi inaugurada em 2010 e custou R$ 2,1 bilhões em valores da época.

A Odebrecht encabeçou o consórcio que construiu a Cidade Administrativa. A empreiteira foi responsável por 60% do projeto, dividido também com a OAS, Andrade Gutierrez e Queiroz Galvão — todas implicadas na Lava Jato. A Odebrecht construiu um dos três prédios da sede do governo mineiro, o chamado Edifício Gerais.

Oswaldinho, o suposto emissor de Aécio na negociação para a obra, é conhecido por colaborar com as campanhas eleitorais do tucano. Também já foi presidente da Codemig (Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais). Foi com ele que as empreiteiras acertaram a forma dos pagamentos, informou Benedicto Júnior.

Cidade Administrativa Presidente Tancredo Neves, projetada por Niemeyer, sede oficial do governo mineiro desde 2010, em Belo Horizonte. Licitação da obra está sob suspeita na Lava Jato Rubens Chaves/27.06.2011/Folhapress

O depoimento do ex-diretor da Odebrecht Sérgio Neves confirmou e complementou o que Benedicto Júnior falou para os procuradores da Lava Jato. Segundo as investigações, Neves seria o responsável por organizar os repasses a Oswaldinho. Neves é o principal delator da força-tarefa da Lava Jato para detalhar os pagamentos a Aécio.

Sérgio Neves e Benedicto Júnior são dois dos 77 funcionários e ex-funcionários da Odebrecht que fecharam acordo de delação premiada. Na segunda-feira (30), a presidente do Supremo, Cármen Lúcia, validou as informações dadas pelos executivos e funcionários da empreiteira e remeteu à PGR (Procuradoria-Geral da República), responsável por conduzir a investigação. O conteúdo, porém, foi mantido sob sigilo.

Aécio Neves defendeu, em nota, que o conteúdo das delações premiadas seja publicado na íntegra pelo Supremo para que “as pessoas mencionadas possam se defender, uma vez que é impossível responder a especulações, interpretações ou informações intencionalmente vazadas por fontes não identificadas”.

O tucano chama a colaboração premiada de Benedicto Júnior de “suposta delação” e classificou “as afirmações são falsas e absurdas”.

Sobre a obra da sede do governo mineiro, Aécio disse que “o edital de construção da Cidade Administrativa foi previamente apresentado ao Ministério Público e ao Tribunal de Contas do Estado e as obras auditadas durante sua execução por empresa independente contratada via licitação pública, não tendo sida apontada qualquer irregularidade durante todo o processo”.

Deixe um comentário

PGR pedirá inquérito contra Aécio Neves

PGR pedirá inquérito contra Aécio Neves,o Mineirinho da Odebrecht

Principal articulador do golpe que arruinou a economia brasileira, o
senador Aécio Neves (PSDB-MG),o Mineirinho da  Odebrecht,será alvo de um novo pedido de inquérito da procuradoria-geral da República; o motivo, desta vez, é o superfaturamento na construção da Cidade Administrativa de Minas Gerais, que foi orçada em R$ 500 milhões e saiu por R$ 2,1 bilhões; na gravação em que defendeu o golpe para estancar a sangria da Lava Jato, o senador Romero Jucá (PMDB-RR) ouviu de Sergio Machado, ex-presidente da Transpetro, que Aécio Neves seria o primeiro a ser comido; em nota, o PSDB mineiro disse se tratar de assunto requentado; de acordo com a Lava Jato, Aécio teria recebido propinas da Odebrecht, da Camargo Corrêa e da Andrade Gutierrez

247Principal articulador do golpe que arruinou a economia brasileira, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) ,que fica bem à vontade em eventos com “Juiz” da Lava-Jato Sergio Moro, será alvo de um novo pedido de inquérito da procuradoria-geral da República.

O motivo, desta vez, é o superfaturamento na construção da Cidade Administrativa de Minas Gerais,
que foi orçada em R$ 500 milhões e saiu por R$ 2,1 bilhões.

As informações da nova investigação contra Aécio foram antecipadas pelo jornalista Severino Motta, do Buzzfeed, o mesmo que antecipou a primeira delação da Odebrecht.

Eis um trecho de sua reportagem: 

O
BuzzFeed Brasil apurou junto a investigadores que trabalham na Lava
Jato que o senador foi acusado de receber dinheiro das empreiteiras que
fizeram as obras da Cidade Administrativa em Minas Gerais: entre elas a
Odebrecht, OAS e Andrade Gutierrez. 
A
delação da Odebrecht, inclusive, fará com que a Andrade seja chamada
para um ‘recall’ de sua delação, uma vez que não revelou os pagamentos
destinados a Aécio, em sua colaboração.  
Na
delação da OAS, o empreiteiro Léo Pinheiro contou que realizou repasses
a Oswaldo Borges da Costa Filho, o Oswaldinho, apontado como operador e
tesoureiro informal das campanhas de Aécio entre 2002 e 2014. 
Pelo
relato de Pinheiro, cujo acordo de delação foi suspenso no ano passado
pelo STF, 3% era o montante da propina paga aos tucanos pela obra
mineira.

Na gravação em que defendeu
o golpe para estancar a sangria da Lava Jato, o senador Romero Jucá
(PMDB-RR) ouviu de Sergio Machado, ex-presidente da Transpetro, que
Aécio seria o primeiro a ser comido.

Em nota, o PSDB mineiro disse se tratar de assunto requentado. Confira abaixo:

 “Trata-se
de assunto requentado. O PSDB-MG desconhece a suposta decisão da PGR e
rechaça as também supostas acusações em relação ao senador Aécio Neves. O
PSDB-MG contesta insinuação de irregularidade em relação à Cidade
Administrativa e informa que o edital da licitação foi previamente
apresentado ao Ministério Público e ao Tribunal de Contas, e todos os
procedimentos foram acompanhados e auditados por empresa externa ao
estado contratada via licitação.
Informamos
ainda que o senhor Oswaldo da Costa nunca teve atuação informal nas
campanhas do PSDB com as quais colaborou, tendo sempre atuação formal e
conhecida na arrecadação de recursos nas campanhas do PSDB.”

,

1 comentário

Vídeo que Aécio Neves tentou esconder está com quase 1 milhão de acessos


Em caso de censura outra cópia

Deixe um comentário

Policia Federal tirou Aécio Neves da praia para depor sem Plantão da Globo

#Desatucanou?  PF tirou Aécio Neves da praia para depor;

“Qualé, mermão”

Pior que condução coercitiva: a PF tirou Aécio da praia para depor

Não fosse uma nota numa coluna da revista Época, você jamais ficaria sabendo que Aécio Neves foi depor na Polícia Federal.
Menos de uma semana depois do Juiz Sergio Moro ter tirado férias para os EUA, o seu companheiro de festas senador Aecio Neves foi ouvido no inquérito que apura se ele fraudou dados da CPI dos Correios, de 2005.

Se houve vazamento para a imprensa, ninguém deu prosseguimento. Mais provavelmente, nada foi vazado.
Também não teve cobertura ao vivo na GloboNews, helicóptero, agentes com fuzis e muito menos condução coercitiva. Tudo nas mais perfeitas calma e civilidade.
Sob essa cortina de silêncio, escapou a razão do depoimento. Em sua delação premiada homologada no STF, Delcídio do Amaral contou que o mineiro maquiou informações obtidas no Banco Rural pela Comissão Parlamentar de Inquérito que ele presidiu.
Suspeita-se da ocultação da relação entre o Banco Rural e o mensalão mineiro.
Delcídio também implicou Eduardo Paes, na época deputado federal pelo PSDB, e Clésio de Andrade.
“Que os dados atingiriam em cheio a pessoas de Aécio Neves e Clésio Andrade, governador e vice-governador de Minas Gerais”, lê-se na delação.
Sobra ainda para Carlos Sampaio, o pitbull de Aécio ao longo de 2015 e meados de 2016. Sampaio saberia da tentativa de maquiagem.
Em outubro, Gilmar Mendes atendeu ao pedido de Janot e autorizou a PF a analisar vídeos do transporte de documentos da CPI dos Correios.
No dia em que o inquérito sobre Aécio foi aberto, 3 de maio, servidores transportaram caixas de uma sala para a Coordenação de Arquivo do Senado a pedido do gabinete do tucano.
Aécio alegou que estava colhendo elementos para apresentar a sua defesa. Você acredita se quiser.
O maior desrespeito dos agentes que quiseram ouvi-lo na terça foi tirar Aécio Neves da praia com um sol desses. Isso não se faz.
Fonte DCM

, ,

Deixe um comentário

Jornalista conta como foi preso para não estragar campanha do Aecio Neves do PSDB

Jornalista conta como foi preso para não estragar campanha do Aecio Neves do PSDB from forapsdb on Vimeo.

Jornalista conta como foi preso para não estragar campanha do Aecio Neves do PSDB
O jornalista Marco Aurélio Carone ficou preso 9 meses e 20 dias em 2014, em Minas Gerais.

Ele é filho de um ex-prefeito de Belo Horizonte que foi aliado de Tancredo Neves.

No Diário de Minas e no Novo jornal, este na internet, passou a fazer denúncias contra o grupo político do hoje senador e presidente do PSDB, Aécio Neves( que esses dias estava em evento da Revista Istoé confraternizando bem a vontade com o Juiz Sergio Moro que deveria investigá-lo, além de Geraldo Alckmin,Jose Serra e o Golpista Michel Temer).

O jornalista se diz vítima de policiais, procuradores, juizes e desembargadores de Minas, que estariam a serviço de Aécio.

Carone foi solto 5 dias depois da eleição presidencial em que Aécio foi derrotado por Dilma Rousseff.

Foi absolvido no processo que o levou à prisão.

Mas, enquanto esteve na cadeia, não pode fazer as denúncias que pretendia fazer contra o tucano.

Na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, Carone contou quais eram: financiamento de campanha via caixa dois, envolvimento de Andreia Neves, esquema na mineração e exportação de nióbio e uso político da estatal Cemig, a Companhia Energética de Minas Gerais, dentre outros.

, , ,

Deixe um comentário

Aécio Neves, o Mineirinho, está lá também: R$ 15.000.000,000

Aecio Neves PSDB MG o Mineirinho
Principal responsável pela quebra da economia brasileira, o senador Aécio Neves (PSDB-MG), que lançou o Brasil no abismo ao não aceitar sua derrota eleitoral em 2014, irrompe com tudo nas delações da Odebrecht; ele é o Mineirinho, que recebeu nada menos que R$ 15 milhões do departamento de propinas da empreiteira; nesta semana, Aécio apareceu sorridente numa foto ao lado do juiz Sergio Moro, que reconheceu, ao ser alvo de protestos na Alemanha, que a imagem foi infeliz; Moro afirmou que não havia nada sobre Aécio na sua jurisdição; agora tem, pois, ainda que Aécio tenha foro privilegiado, isso não vale para seus tesoureiros

Minas 247 Principal responsável pela quebra da economia brasileira, o senador Aécio Neves (PSDB-MG), que lançou o Brasil no abismo ao não aceitar sua derrota eleitoral em 2014, irrompe com tudo nas delações da Odebrecht.
Ele é o Mineirinho, que recebeu nada menos que R$ 15 milhões do departamento de propinas da empreiteira. “No pedido de busca e apreensão da Polícia Federal da 26.ª fase da Lava Jato, a Xepa, Mineirinho é apontado como destinatário de R$ 15 milhões entre 7 de outubro e 23 de dezembro de 2014. As entregas, registradas nas planilhas da secretária Maria Lúcia Tavares, do Setor de Operações Estruturadas – conhecido como o “departamento de propina” da Odebrecht – teriam sido feitas em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais”, diz reportagem do Estado de S. Paulo.
Nesta semana, Aécio apareceu sorridente numa foto ao lado do juiz Sergio Moro, que reconheceu, ao ser alvo de protestos na Alemanha, que a imagem foi infeliz.
Moro afirmou que não havia nada sobre Aécio na sua jurisdição, mas agora tem, pois, ainda que Aécio tenha foro privilegiado, isso não vale para seus tesoureiros.
Além dos R$ 15 milhões que recebeu, Aécio também intermediou o pagamento de uma propina de R$ 1 milhão para o senador Agripino Maia (DEM-RN), presidente do DEM, que também foi um dos líderes do golpe contra a democracia brasileira (saiba mais aqui).
A assessoria de imprensa do PSDB mineiro afirmou que R$ 15 milhões foi o total doado pela Odebrecht à campanha do PSDB em 2014, que o valor foi registrado no TSE e que Aécio “desconhece supostas citações em planilhas da empresa”

1 comentário

Juiz Sergio Moro com delatados Aecio Neves, Temer e outros Tucanos descontraídos em evento da ISTOÉ

Juiz Sergio Moro(PSDB/PR) Aecio Neves(PSDB/MG) e junto com José Serra(PSDB/SP), Geraldo Alckmin(PSDB/SP e o golpista michel Temer (PMDB/SP)

acima  Juiz  Sergio Moro com clima de descontração com quem ele deveria investigar, dando risadinhas com Aecio Neves(MG) e junto com José Serra(SP), Geraldo Alckmin(SP)Michel Temer (PMDB/SP)
Por isso que quando Temer, Aecio ou outros tucanos são citados Sergio Moro Para a audiência e o advogado do PSDB Sergio Moro interrompe a testemunha, pelo que parece não tem serviço naquela vara a não ser perseguir o presidente Lula,pois  toda semana em um evento tucano , já nos últimos dias esteve com tucanos em Mato Grosso,com o amigo Dòria

Sergio Moro PSDB/PR e Aecio Neves PSDB/MG

Embora tenha sido um dos políticos mais citados nas delações da Lava Jato, o senador Aécio Neves confraternizou, na noite de ontem, com o juiz Sergio Moro; Aécio já foi apontado como responsável por um mensalão em Furnas, como beneficiário de esquemas no Banco Rural e como “o mais chato” cobrador de propinas de uma empreiteira; a foto despertou reações indignadas na esquerda; “Do que riem tanto o ‘justiceiro’ alçado a ‘herói nacional’ e o candidato derrotado em 2014 – e recordista em citações na investigação comandada pelo primeiro?”, questionou o senador Lindbergh Farias (PT-RJ); ontem, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que será julgado por Moro, acusou o juiz paranaense de ser um militante do PSDB

Brasil 247

Embora tenha sido um dos políticos mais citados nas delações da Lava Jato, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) confraternizou, na noite de ontem, com o juiz Sergio Moro

Aécio já foi apontado como responsável por um mensalão em Furnas, como beneficiário de esquemas no Banco Rural e como “o mais chato” cobrador de propinas de uma empreiteira.

Segundo a delação da empreiteira Odebrecht, ele também recebia recursos por parte de seu marqueteiro Paulo Vasconcelos. De acordo com a delação da OAS, houve também propina de 3% nas obras da Cidade Administrativa, em Belo Horizonte.

A foto despertou reações. “Do que riem tanto o ‘justiceiro’ alçado a ‘herói nacional’ e o candidato derrotado em 2014 – e recordista em citações na investigação comandada pelo primeiro?”, questionou o senador Lindbergh Farias (PT-RJ). A deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) afirmou que a foto explica por que tucanos não são punidos na Lava Jato. Segundo Carina Vitral, presidente da União Nacional dos Estudantes, a imagem vale por mil palavras.

Ontem, presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que será julgado por Moro, acusou o juiz paranaense de ser um militante do PSDB (leia aqui).cado por procuradores da Lava Jato

2 Comentários